Resumindo a Notícia

Com a aproximação das provas dos principais exames e vestibulares do país, como o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2022 e Fuvest — principal porta de entrada para USP —, o R7 entrevistou professores de biologia, que explicam como a varíola do macaco pode ser cobrada nas provas e também dão dicas de outros possíveis temas.

A professora Roseli Macedo, coordenadora de biologia do Colégio Etapa, destaca que o estudante deve ficar atento às questões atuais que estiveram na mídia. “As provas, no geral, aliam estes temas com os conhecimentos específicos de biologia.”

Na prova de Ciências da Natureza do Enem, que reúne 45 questões de química, física e biologia, em média, como aponta a professora, 15 são de biologia.  “São questões interdisciplinares; interpretativas que exigem do aluno atenção aos dados fornecidos por gráficos, tabelas, imagens; com todos os assuntos da matéria, algumas de exigência básica, mas, em geral, de exigência média, leitura atenta e boa interpretação”, diz.

Ainda de acordo com Roseli, em biologia os assuntos mais cobrados, nos últimos vestibulares, foram citologia e ecologia. Em citologia ela destaca alguns pontos de atenção. “Já que este ano teremos a Copa do Mundo, assuntos como: vírus, além da Covid-19, temos a varíola dos macacos, casos de raiva, dengue, sarampo, varicela e herpes zóster; bactérias, insistindo em bacterioses como hanseníase, IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis) — sífilis, cólera e leptospirose”, destaca.

Já em ecologia, a educadora aposta nos temas como desequilíbrios do meio ambiente pela ação antrópica, com desmatamentos, queimadas, metais pesados (por exemplo, mercúrio utilizado no garimpo), alterações das paisagens devido aos deslizamentos provocados pelas chuvas e pela interferência humana.

Também assuntos como a desertificação; alteração e redução das áreas naturais dos biomas brasileiros; espécies ameaçadas de extinção; poluição do ar com os gases que intensificam o efeito estufa, poluição do solo e da água com os lixões a céu aberto e a utilização de inúmeros pesticidas, são sugeridos por Macedo.

Varíola do macaco x vestibular

O professor, Gustavo Camacho, do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas (SP), explica que apesar de não ser tão incidente no Enem e nos vestibulares, saber a definição de surto, epidemia e pandemia é relevante para que o estudante entenda o comportamento de uma série de doenças.

“No que diz respeito a quais aspectos da biologia os estudantes devem se atentar, tratando-se da varíola do macaco, a doença é causada por um vírus de DNA que pode se multiplicar nos linfonodos e mucosas e causa o surgimento de erupções secundárias na pele”, explica. 

Camacho lembra que as primeiras colônias de macacos contaminados foram descobertas na década de 1950. “Foi um vírus similar ao da varíola de humanos, daí o surgimento do nome da doença”, diz. Ainda em meio a pandemia da Covid-19, o professor esclarece que a varíola do macaco é uma doença viral endêmica (recorrente em certa região) das florestas da África Central e Ocidental.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Karla Dunder